PT mantém apoio à Venezuela apesar de guinada ditatorial

Presidente da sigla, Gleisi Hoffmann, é a mais vocal na defesa do regime de Maduro; Haddad culpa ‘conflito aberto’.

Por Folha de São Paulo

A Venezuela extrapolou o âmbito da política externa, ao qual o eleitor brasileiro dá quase nenhuma importância, para se tornar um dos temas centrais na campanha eleitoral.

Jair Bolsonaro (PSL), por exemplo, afirma que a volta do PT ao Planalto representaria uma “venezuelização” do Brasil. Geraldo Alckmin (PSDB) diz o mesmo em relação a petistas e ao próprio Bolsonaro.

O recado é claro: se o adversário ganhar, o país caminhará para um cenário caótico semelhante ao do país vizinho, com hiperinflação, desemprego, escassez de alimentos e medicamentos, insegurança e crise institucional.

E o que dizem os petistas sobre a questão? Fernando Haddad, candidato à Presidência do partido, declarou recentemente que a Venezuela já não é uma democracia.

“Quando você está em conflito aberto, como está lá, não pode caracterizar como uma democracia. A sociedade não está conseguindo, por meios institucionais, chegar a um denominador comum”, afirmou, em 13 de agosto.

A opinião, entretanto, está longe de ser consensual em seu partido. Nos últimos meses, a despeito da progressiva degradação das instituições democráticas e da economia na Venezuela, parcela significativa do PT tem reiterado seu apoio ao regime de Nicolás Maduro.

A presidente da sigla, a senadora Gleisi Hoffmann (PR), é hoje o principal nome a respaldar essa posição publicamente.

A matéria completa pode ser lida acessando a Folha de São Paulo.



Categorias:Política

Tags:, ,

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: