Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Com risco de incêndio, escola estadual no Careiro Castanho está sem aulas

Última reforma na escola da zona urbana aconteceu em 2005.


Por Wesley Lira, especial para o Redação AM


Amazonas – Com risco de incêndio, a Escola Estadual Thomé Ferreira Santiago, no município do Careiro Castanho (a 100 KM distante de Manaus) está de portas fechadas. Ela é a única da rede estadual, em toda a sede, que recebe alunos do ensino médio no município.

As informações que chegam ao Redação AM, é que em toda a rede municipal as aulas já iniciaram, porém, na rede estadual, apenas as Escolas Estadual Marçal Machado Girão, na zona urbana que recebe alunos do fundamental e Escola Estadual Fábio Lucena, na zona rural estão em pleno funcionamento.

Última reforma na escola da zona rural aconteceu em 2005. (Foto: Francisco das Chagas)

Em uma reunião com professores, funcionários administrativos, pais e alunos, ocorrida na última terça-feira (12), para explicar o motivo da paralisação, foi informado que toda a rede elétrica do prédio está com sérios riscos de causar um incêndio no local. Recentemente, uma pane elétrica causou um princípio de incêndio em uma das salas da Escola, causando pânico entre os funcionários que estavam no local.

“Esse é um problema que vem passando por gestão em gestão, entra governante, sai governante e não tem uma solução para o problema. Mas nós esperamos que com o novo governo na pessoa do Governador Wilson Lima que é comprometido com o povo, que resolva o problema da nossa escola”, disse Margareth Freire, gestora interina da Escola Thomé.

(Foto: Francisco das Chagas)

Construída na década de 70, a Escola Estadual Thomé Ferreira Santiago é a instituição de ensino oficial do governo que foi pioneira no município, por ela já passaram nomes importantes para o município como gestores, médicos, professores, jornalistas conhecidos no Amazonas e escritores.

Sua última reforma foi em 2005, desde então, apenas a pintura e alguns pequenos reparos eram realizados na estrutura, conforme a gestora interina. Hoje, o colégio encontra-se em um péssimo estado de conservação, a quadra poliesportiva da escola está parcialmente coberta pelo mato. Salas de aula com portas e janelas danificadas, animais como pombos fizeram ninhos no forro de todo o prédio.

Rede elétrica com risco de gerar incêndio. (Foto: Francisco das Chagas)

Reunião

A reunião realizada na tarde da última terça-feira, serviu para decidir junto aos pais, quais as medidas cabíveis para que os alunos tenham o menor impacto possível com essa paralisação.

“Eu fico indignada pelo que tá havendo, esse processo todo dentro da escola. Teve o ano de 2018 no qual não foi passado nada em relação a esse problema, que a escola praticamente pegou fogo, numa das salas dos professores, inclusive, acabamos de ir lá e verificamos como está fedendo. Está horrível e falar do sentimento dos filhos é complicado, porque fomos juntos, compramos todo o material deles. Estavam todos ansiosos para ir para a escola, a camisa, escolheram mochila, caderno. Então, eles estão chateados, muito tristes”, destacou Marciana Souza, servidora pública e mãe de aluno.

Reunião entre pais e professores na Escola Estadual Thomé Ferreira Santiago. (Foto: Francisco das Chagas)

A Defesa Civil e  a Polícia Civil estiveram na reunião para auxiliar na constatação do problema e interdição do prédio

“Por uma questão de segurança, trabalhamos hoje essa reunião para poder encontrar uma solução a respeito dessa parte elétrica. A gente está torcendo para que as autoridades possam agilizar da melhor forma possível, para que a gente não tenha um ano prejudicado, para que o ano letivo, nossos filhos possam ser bem aproveitados. Então a gente torce para que tenha agilidade com eficiência”, afirmou o representante da Polícia Civil, Sandro Souza.

O coordenador geral das escolas estaduais no Careiro, Marcos Teófilo acompanhou de perto esses anos de dificuldades na Escola Thomé, e reconhece que é um estado preocupante, principalmente pela parte elétrica do prédio que traz risco a segurança física dos alunos, professores e de todos os funcionários do prédio. Ele afirmou também que nos próximos dias, uma equipe da Seduc estará vindo ao município, para analisar toda a problemática que envolve o bom andamento das aulas no colégio e resolver no menor espaço de tempo.



Categorias:Cidades

Tags:, , ,

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: