Prefeitura discute ensino cívico-militar em escolas municipais durante audiência pública na Aleam

Semed lançou um projeto de escola cívico-militar que está em fase experimental.


Por Émerson Santos/Semed


A Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed), participou, nesta quarta-feira, 8/9, de Audiência Pública da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), para debater o ensino cívico-militar no Amazonas, realizada pela Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Coed/Aleam). A ação ocorreu no auditório do órgão legislativo, localizado no bairro Flores, zona Centro-Sul, em formato híbrido.

O secretário de Educação, Pauderney Avelino, e a chefe do Departamento de Apoio à Gestão Escolar da Semed, Rute Moreira, participaram de forma remota, enquanto a chefe da Divisão Distrital Zonal (DDZ) Leste 2, Socorro Duarte, de forma presencial.

Pauderney Avelino destacou a importância das escolas cívico-militares para o novo contexto social de Manaus e que a Semed apoia esse modelo, pensando a partir do Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares do Ministério da Educação (MEC).

“Estamos nesse projeto por entendermos que as escolas cívico-militares cumprem um papel fundamental neste momento, em que muitas famílias estão em vulnerabilidade social. Por isso também, estamos com o projeto das escolas cívico-militares, para que o formato e o conceito da disciplina e do pedagógico utilizados nessas escolas sejam implementados nas nossas”, enfatizou.

As escolas cívico-militares são instituições públicas comuns em que a gestão administrativa e de conduta são de responsabilidade de militares ou profissionais da área das Forças Armadas, enquanto que a gestão pedagógica fica sob a responsabilidade de profissionais da Educação.

Atualmente, a Semed está em tratativas com o Ministério da Educação e com a Polícia Militar do Amazonas (PM/AM), para implementação do modelo de escolas cívico-militares em duas unidades de ensino da rede municipal de Manaus. A escola Plínio Ramos Coelho, localizada no bairro Tancredo Neves, e a escola municipal Dom Jackson Damasceno, no Jorge Teixeira, ambas na zona Leste, em área de vulnerabilidade social, devem ser contempladas.

Segundo a chefe do Departamento de Apoio à Gestão Escolar, Rute Moreira, a audiência serviu para a Semed conhecer mais sobre o modelo de escolas cívico-militares.

“Essa discussão é importante porque o modelo cívico-militar é novo e muitos educadores não o conhecem. Além disso, precisamos regulamentar a lei, para a contratação dos policiais militares da reserva”, relatou.

As duas unidades contempladas no projeto-piloto de escolas cívico-militares do município fazem parte da DDZ Leste 2, e segundo a chefe  Socorro Duarte, quem mais ganhará com isso serão os alunos.

“Entendemos que esse modelo será muito importante para essas escolas, pois estão situadas em áreas de vulnerabilidade social e esse formato de ensino será extremamente benéfico para a formação dos alunos dessas unidades, por estarem inseridos em um contexto social peculiar e repleto de adversidades. Vemos isso como uma dádiva, como uma benção para essas unidades de ensino”, explicou.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.