Jabutis são devolvidos à natureza na RDS Puranga Conquista

A comunidade indígenas Nova Esperança, localizada da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Puranga Conquista, realizou na sexta-feira (08/04) a soltura de 226 jabutis às margens do rio Cuieiras.

Este é o sétimo ano em que a comunidade se envolve na atividade. Toda a programação foi conduzida pelos alunos da  Escola Indígena Municipal Puranga Pisasú, que fizeram apresentações de dança, atividades culturais, concurso de desenho e brincadeiras voltadas para a temática.

A atividade faz parte do Programa de Monitoramento da Biodiversidade e do Uso Sustentável de Recursos Naturais (Probuc), implementado pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), gestora da RDS Puranga Conquista.

“Quando a gente promove uma atividade como essa, de monitoramento de quelônios, não estamos só fortalecendo a conservação das espécies, estamos fortalecendo a participação e o empoderamento da comunidade na gestão dos seus próprios recursos”, disse Eduardo Taveira, secretário de Estado do Meio Ambiente.

O monitoramento de quelônios na comunidade Nova Esperança foi realizado também com a participação de monitores da comunidade Barreirinha, que contribuíram com ovos coletados em sua região.

Entregas – Além da soltura de quelônios, o evento foi uma oportunidade para realização de entrega de 20 certificados de conclusão do curso de qualificação profissional “Introdução à Pesca Esportiva”, realizado em parceria com o Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam). Os comunitários que participaram do curso agora estão aptos a exercer a função de guia de pesca.

Também foram entregues uniformes e equipamentos de campo para monitores da biodiversidade e Agentes Ambientais Voluntários (AAV). Paralelamente, ocorreu ainda uma feira de artesanato, onde a comunidade expôs biojoias e itens decorativos.

Monitoramento de quelônios – De junho a dezembro, os comunitários se mobilizam para  percorrer áreas de praias, campinas e barrancos para procurar covas, onde as fêmeas depositam seus ovos durante a descida dos rios.

Quando localizados, os ovos são coletados e transferidos para uma estrutura conhecida como berçário, que reproduz o habitat natural dos animais. Os ovos ficam no local até sua eclosão.

Após o nascimento, os filhotes são realocados em tanques, onde permanecem até atingirem um tamanho ideal para serem soltos na natureza em segurança.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.