Ateliê 23 estreia espetáculo ‘Cabaré Chinelo’ no dia 8 de novembro

Em novembro, o Ateliê 23 apresenta ao público a história da belle époque manauara não contada nos livros, com o espetáculo “Cabaré Chinelo”, inspirado na pesquisa do historiador Narciso Freitas e uma parceria com a companhia de teatro argentina García Sathicq, sobre prostitutas que viveram em Manaus na época da borracha. A temporada estreia no dia 8 de novembro, às 20h, no Teatro Gebes Medeiros (Avenida Eduardo Ribeiro, 937, Centro) e segue todas as terças e quartas deste mês, com classificação para 18 anos.

Os ingressos antecipados estão à venda por R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia), pelo Sympla (sympla.com.br). Nos dias de apresentação, os bilhetes vão ser vendidos a R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia), na entrada.

Em cena, o espetáculo de teatro musicado traz uma denúncia, 100 anos depois, sobre mulheres prostituídas em um grande esquema de tráfico internacional e sexual no início do século XX. Segundo o diretor do Ateliê 23, Taciano Soares, o projeto abre a programação de dez anos da companhia, celebrado em agosto de 2023, com uma série de novos projetos e também revisitação de trabalhos conhecidos pelo público cativo do grupo.

“O ‘Cabaré Chinelo’ é um grande convite para que possamos falar sobre vidas que importam. Essa proposta vai ao encontro do que o Ateliê 23 tem apresentado todos esses anos, com base em material biográfico e documental, com fatos históricos, de alguém ou de uma situação real, o que chamamos de bionarrativas cênicas”, explica o artista.

O espetáculo tem apoio do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), além da Fundação Nacional de Artes (Funarte) e Fondo de Ayudas para las Artes Escénicas Iberoamericanas – IBERESCENA.

Enredo Taciano destaca que o projeto tem a expectativa de desmistificar o ideal romantizado que ainda existe sobre a belle époque em Manaus.

“Na verdade, a belle époque foi um produto de alguns poucos homens que detinham poder e dinheiro na época da borracha e que fizeram com que a cidade fosse uma espécie de cartão postal, quando por trás disso, havia muito suor e sangue”, comenta o diretor. “Essa é a história real que, inclusive, perpetua até hoje, visto que temos, no centro, ruas ao redor do Hotel Cassina, onde era o Cabaré Chinelo, que ainda sustenta uma subvida, mulheres prostituídas em condições sub-humanas, herança direta daquele período e do modo pelo qual homens trataram corpos e vidas de mulheres como se fossem mercadorias”.

Registro histórico Conforme o diretor, o espetáculo, que acontece entre 1900 e 1920, traz recortes dos jornais da época, com registros como tabela de valores de quanto cada uma mulher valia em ruas como Epaminondas, Dez de Julho, Itamaracá, Lobo D’Almada e Saldanha Marinho e Porto de Manaus. O material vai ser distribuído durante a peça.

“Os jornais da época foram fundamentais para entender como tudo se dava, porque é através das manchetes que temos acesso aos nomes das mulheres, as personalidades e a histórias muitos tristes”, afirma Taciano. “Outra questão dessa pesquisa são as ISTs, infecções sexualmente transmissíveis vinculadas a presença das prostitutas e registradas em fichas de cadastro de saúde, que também vamos distribuir para a plateia. São documentos que constam nomes, origem e o termo deflorada para se referir a primeira vez dessas mulheres”.

Ficha técnica Taciano Soares assina a direção geral de “Cabaré Chinelo”, com a diretora e dramaturga argentina Jazmín García Sathicq na co-direção, e divide a dramaturgia com Eric Lima, que é responsável ainda pela direção musical e coreografia.

No elenco estão Allícia Castro, Ana Oliveira, Carol Santa Ana, Daniely Peinado, Daphne Pompeu, Eric Lima, Fernanda Seixas, Julia Kahane, Sarah Margarido, Sofia Sahakian, Taciano Soares, Thayná Liartes, Vanja Poty e Vívian Oliveira.

A banda e arranjos contam com Cakito, Stivisson Menezes e Yago Reis, a assistência musical com Guilherme Bonates e Sarah Margarido, preparação vocal com Krishna Pennutt e provocação corporal com Viviane Palandi.

A produção do Ateliê 23 tem a assistência de direção de Carol Santa Ana e Eric Lima, figurino de Melissa Maia, cenografia de Juca di Souza, iluminação de Tabbatha Melo, pesquisa histórica de Narciso Freitas, apoio técnico de Titto Silva e Kelly Vanessa, assessoria de comunicação de Manuella Barros e fotografia e vídeo de Hamyle Nobre.

Sobre o Ateliê 23 A companhia que completa uma década em agosto de 2023 tem sede no centro de Manaus desde março de 2015, com 17 espetáculos de teatro e dança no repertório. A partir de 2020, o Ateliê 23 se lança no audiovisual com a obra “Vacas Bravas [online]” e, em 2021, com o projeto “A Bela é Poc”. A principal característica do coletivo é trabalhar com histórias reais, objeto da tese de Doutorado “Bionarrativas Cênicas”, defendida por Taciano Soares, na Universidade Federal da Bahia.

Entre obras de sucessos de público crítica estão “Helena”, selecionado para a mostra a_ponte: cena do teatro universitário do Itaú Cultural e indicado ao Prêmio Brasil Musical; “da Silva” e “Ensaio de Despedida”, indicados para o projeto Palco Giratório, do Sesc; “Vacas Bravas”, “Persona – Face Um” e “A Bela é Poc”.

FOTOS: Hamyle Nobre

MAIS INFORMAÇÕES:
Manuella Barros – 9 8172-9842

Deixe uma resposta